Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Clarabóia

Clarabóia

20.10.21

O Prisioneiro do Céu | Carlos Ruiz Zafón


Raquel Patrício

IMG_0022.jpg

Este ano está a ser absolutamente incrível a nível de leituras para mim. E, claro, viajar nesta maravilhosa experiência que é a leitura do Cemitério dos Livros Esquecidos tem sido fundamental para a minha opinião. 

"O Prisioneiro do Céu" é o terceiro livro da saga dos Livros Esquecidos, do nosso querido Carlos Ruiz Zafón. Voltamos a Barcelona, à continuação de "A Sombra do Vento", e reunimo-nos com as nossas personagens preferidas: os Sempere (Daniel e pai), Bea e claro, o fantástico Fermín. É difícil resumir os acontecimentos deste terceiro volume uma vez que não é tanto um livro de ação mas sim um livro de descobertas. No fundo, serve como um unificador dos dois livros anteriores, fazendo o cruzamento entre a vida de David Martín, protagonista de "O Jogo do Anjo", de Fermín e dos Sempere. 

Conhecemos um pouco mais desta personagem, Fermín Romero de Torres, através do seu passado. Percebemos que existe aqui um elo de ligação entre ele e David, que se conheceram na prisão, o que despoletou que Fermín acabasse por se encontrar com os Sempere. 

Acho que este terceiro livro é bastante importante para dar coesão a toda a história e ligar algumas pontas soltas dos dois primeiros. A Isabella continua a ser uma personagem que me fascina pela sua coragem e determinação. Claramente, traços que passaram para Daniel, o nosso protagonista. Aliado a esta história incrível e cativante, temos uma escrita de mestre da parte de Zafón. Quando lemos "O Prisioneiro do Céu" ficamos com a sensação que o mesmo foi escrito de rajada - mas não no mau sentido. A história flui de forma tão ligeira e natural que quase parece fácil escrever assim. Só que não é. A naturalidade com que as palavras de Zafón nos emocionam é lindíssima. Para mim, livros bem escritos são mesmo assim: fluem naturalmente para a nossa vida e espelham na perfeição as nossas emoções. Por isso, o meu conselho é: leiam Zafón. 

O mundo é demasiado pequeno quando não se tem um sítio para onde ir.

Avaliação: 8,5/10