Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Clarabóia

Clarabóia

18.06.21

O Conto da Ilha Desconhecida | José Saramago


Raquel Patrício

IMG_0504.jpg

Quem me conhece sabe que amo Saramago! Para mim, não há escritor mais completo. Histórias totalmente absorventes, que nos transportam para realidades únicas e surreais, e que colocam o ser humano em situações extremas, obrigando-o a lidar com questões éticas e filosóficas muito interessantes. Além da escrita que é simplesmente magnífica e muito bonita. 

Este é o livro ideal para quem nunca leu Saramago e quer ter uma amostra de como será a leitura. Um pequeno conto, com cerca de 50 páginas, que se lê muito rapidamente, mas que está repleto de aprendizagens e lições de vida, apesar da simplicidade da história.

Um homem decide ir à procura de uma ilha desconhecida. Assim, vai até à Portas das Petições, no palácio do rei, pedir-lhe um barco para navegar por mares ainda não totalmente explorados. É ridicularizado por todos, pois ninguém acredita na existência de uma ilha que ainda não tenha sido descoberta. Porém, apesar das adversidades, não desiste do seu sonho.

Pela hora do meio-dia, com a maré, a Ilha Desconhecida fez-se enfim ao mar, à procura de si mesma. 

O livro, apesar de tão pequeno, tem imensas críticas subjacentes. Desde a questão das imensas burocracias que, ainda hoje, precisamos de passar para obter algo ou fazer um pedido, até à crítica constante de quem pensa diferente e tem uma visão única do mundo. O livro desenvolve muito o tema da confiança e da fé. De acreditarmos no nosso valor, nos nossos sonhos e fé no destino que está pela nossa frente. Além disso, é uma história que enaltece bastante o nosso passado e as nossas tradições lusitanas, de exploradores aventureiros que desbravaram o mundo pelo mar. 

(...) também é deste modo que o destino costuma comportar-se connosco, já está mesmo atrás de nós, já estendeu a mão para tocar-nos no ombro, e nós ainda vamos a murmurar, Acabou-se, não há mais nada para ver aqui, é tudo igual.

É um livro mesmo muito bonito. Por ser tão pequeno, fiquei com vontade que Saramago tivesse explorado muito mais a história deste aventureiro que encontrou mais do que uma ilha no seu caminho. Esta breve premissa fez-me lembrar tanto a história do Baltasar e da Blimunda, de "O Memorial do Convento". Para mim, os livros de Saramago são aquelas escolhas seguras que sei que nunca desiludirão. Para quem nunca leu nada do autor, recomendo! Acho que é um livro muito leve (e tão lindo) para iniciar. 

Avaliação: 9/10

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.