Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Clarabóia

Clarabóia

19.05.21

Laranja de Sangue | Harriet Tyce


Raquel Patrício

IMG_2522.jpg

Já tinha comprado este livro o ano passado, quando se começou a sentir um imenso hype em torno do mesmo. Contudo, confesso que não me tinha dado ainda vontade de o ler. O facto de depois terem começado a surgir várias críticas negativas que diziam que o livro tinha mais fama do que conteúdo foi o que, principalmente, me demoveu. 

A personagem principal do thriller é Alison, uma advogada com algum sucesso, que tem estado numa carreira em ascenção. É casada e tem uma filha de 6 anos. Contudo, a advogada tem um sério problema de alcoolismo. Além disso, o seu casamento está a atravessar um fase extremamente difícil o que fez com que a mesma se envolvesse numa relação extraconjugal com um colega de trabalho. Tudo na vida de Alison parece estar a ruir, com exceção de um novo caso que recebeu: o seu primeiro homicídio. 

Não posso contar mais da história porque iria desvendar os segredos que efetivamente trazem surpresa ao livro. A história em si não me fascinou. Não achei que o livro estivesse particularmente bem escrito. Tem um final surpreendente, na minha opinião, embora ao longo do livro já tivessemos algumas pistas de que algumas coisas não batiam certo. Apesar de que nada fazia antever que fosse algo tão drástico. Acho que o livro peca pelo exagero de acontecimentos bizarros que definem as pessoas à volta de Alison, assim como o facto de várias personagens terem um problema claro com o álcool. 

É um livro que se lê rapidamente (li-o numa tarde, por exemplo) e tem uma história suficientemente cativante para nos prender a atenção, mas que não é emocionante ao ponto de nos deslumbrar. Tem cenas chocantes e, muitas vezes, faz-nos pensar que, quem está de fora, realmente consegue ter uma perceção muito clara da espiral negativa em que as pessoas se afundam; apesar de, quando somos nós a vivê-las e a tomar essas decisões, só temos capacidade de ver o prazer imediato e não conseguimos antever as consequências negativas a longo prazo nem os sentimentos terríveis que nos invadiram posteriormente. 

Avaliação: 5,5/10

3 comentários

Comentar post