Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Clarabóia

Clarabóia

05.05.21

A Sombra do Vento | Carlos Ruiz Záfon


Raquel Patrício

FE21AF34-C2C1-4D1C-826E-8478C4BBFF0F.JPG

Compenetrada no espírito do Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor, decidi aventurar-me, no mês de abril, com "A Sombra do Vento", do Carlos Ruiz Záfon. Este livro é um daqueles clássicos que toda a gente que o leu fala maravilhas. E, digo-vos já, com toda a razão! Só me recrimino de não ter pegado neste livro tão mágico mais cedo.

"A Sombra do Vento" não é apenas um livro sobre livros. É um livro sobre o amor, a amizade, a vida e a passagem do tempo. A forma como podemos preenchê-la de emoções e sentimentos e como a leitura pode ser um meio de nos conectarmos com a nossa essência, de nos descobrirmos. Ao mesmo tempo, relata com delicadeza as viagens magníficas que podemos efetuar ao perdermo-nos num livro (como, acontece, com os leitores de "A Sombra do Vento"), a capacidade que as palavras têm de nos provocarem sensações novas e de nos acutilarem a curiosidade. 

Contei-lhe que até àquele momento não tinha compreendido que aquela era uma história de gente só, de ausências e de perda, e que por essa razão me tinha refugiado nela até a confundir com a minha própria vida, como quem escapa através das páginas de um romance porque aqueles que precisa de amar são apenas sombras na alma de um estranho.

"A Sombra do Vento" é um romance da saga "O Cemitério dos Livros Esquecidos", composta por mais 3 livros: "O Jogo do Anjo", "O Prisioneiro do Céu" e, por fim, "O Labirinto dos Espíritos". Os livros não precisam de ser, necessariamente, lidos pela ordem de lançamento. Contudo, o que todos têm em comum é uma visita ao chamado Cemitério dos Livros Esquecidos, um lugar mágico e perdido em Barcelona, e que é o ponto de partida para esta história.

Daniel Sempere, um adolescente com cerca de 15 anos, é levado pelo seu pai a este místico local. O pai diz-lhe que vai partilhar com ele um segredo muito importante, que Daniel não poderá nunca revelar a ninguém. O cemitério dos livros esquecidos, este local sagrado, está repleto de livros e Daniel tem como missão escolher um, que deve estimar e guardar como um bem precioso. Ao acaso, Daniel pega num livro intitulado "A Sombra do Vento", de um autor chamado Julian Cárax. Rapidamente, este jovem percebe que o livro que escolheu é bastante singular. Não só pela sua escrita absorvente como pela sua raridade: existem várias pessoas à procura deste livro. Isto porque, alguém misterioso, anda a queimar todos os livros de Cárax - o que significa que um exemplar destes torna-se quase um potencial diamante. 

Os anos passam por Daniel, acompanhamos a sua jornada na procura incessante por informações de Julian Cárax e do seu passado. Há medida que a sua história se desenrola e vamos conhecendo mais detalhes deste autor misterioso, percebemos como as vidas de ambos se tocam, com vários pontos em comum. Este livro é, por si só, uma autêntica e fantástica viagem, tendo como pano de fundo a maravilhosa cidade de Barcelona. 

O destino costuma estar ao virar da esquina. Como se fosse um gatuno, uma rameira ou um vendedor de lotaria: as suas três encarnações mais batidas. Mas o que não faz é visitas ao domicílio. É preciso ir atrás dele. 

Acho que já perceberam pelo meu relato que eu amei este livro. Não tenho realmente palavras que descrevam a mestria e a grandiosidade de Záfon. Um livro com personagens muitíssimo bem construídas, em que vamos percebendo que nada é deixado ao acaso. Todos os pontos, até os mais pequenos detalhes, são deixados lá por algum motivo. Uma história que, em cada página, está repleta de emoções. E se são daquele tipo de pessoas que adoram citações e frases bem construídas, com sentimento, este é o livro certo. Não vos digo quantas páginas transcrevi só de citações.

Tal como disse no início, este livro é uma verdadeira homenagem ao poder de transformação que a leitura tem. Fiquei com bastante vontade de ler toda a saga. Porém, vou-me controlar e deixar o próximo livro para daqui a uns meses, para não ficar assoberbada de Záfon e não aumentar ainda mais este sentimento de "vazio" que ficou após esta leitura. Vai saber muito bem saborear mais um livro deste autor daqui a uns tempos. Quem aí desse lado ainda não leu esta verdadeira obra-prima, apressem-se a fazê-lo! Acreditem em mim, vão adorar. 

Avaliação: 10/10

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.